Meditação da Palavra

08 janeiro 2017

VIMOS SUA ESTRELA

Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo (Mt 2,2)

O povo de Deus queria bem demais a Jerusalém. Lá estava o Templo de Deus. E o povo santo teve uma experiência muita triste quando viu Jerusalém ser destruída pelos inimigos e as lideranças serem levadas cativas para a Babilônia. Foi um tempo de tristeza o exílio na Babilônia, tristeza para quem foi levado para lá e sofrimento para quem ficou nas terras de Judá. Um dia, Deus mandou um recado pelo profeta, um recado que animou a povo a viver mais confortado no meio de tanto sofrimento: “Vai chegar o dia em que a gloria de Deus vai brilhar tão forte em Jerusalém que vai atrair gente do mundo todo. O mundo todo vai estar em trevas, mas em Jerusalém se verá um enorme clarão da glória de Deus. Quem ficou vai ver os cativos da Babilônia voltando pra casa libertos, carregados de riquezas; e gente de todo canto chegando à cidade santa; as nações, com seus reis, chegando de longe. Eles vão trazer ouro e incenso para honrar o Senhor.  Vai ser uma invasão de dromedários e camelos das terras dos pagãos. Deus vai manifestar sua glória e vai atrair o mundo todo para a sua luz”. Essa profecia está na primeira leitura da celebração de hoje (Isaías capítulo 60).

Mais tarde, os seguidores de Jesus perceberam que essa profecia da ‘glória de Deus que iria atrair o mundo todo’ começou a se realizar na vinda de Jesus ao mundo, no seu nascimento. Quando contavam a história dos magos que vieram do Oriente para adorar o rei que tinha nascido, sentiam que a antiga profecia estava se realizando ali. Os magos vieram do Oriente, fascinados pelo esplendor da glória de Deus, manifestado na estrela. E foram logo a Jerusalém, o lugar indicado na profecia. Mas a estrela e as Escrituras os levaram a Belém, berço do rei David. Lá, eles adoraram o menino. E lhe presentearam com ouro, incenso e mirra. Os magos representam as nações do mundo todo que foram atraídas pela glória de Deus. O clarão da glória de Deus está atraindo os povos do mundo todo. Jesus é o esplendor da glória do Pai. Ele é a luz que ilumina o mundo.

Agora, dá pra gente entender porque o povo chama esses magos de reis: porque a profecia falava dos reis das nações atraídos pela glória de Deus. E porque colocamos dromedários  e camelos no presépio: porque a profecia falava duma enorme quantidade de dromedários e camelos chegando na cidade santa. Era o típico transporte de povos de outras terras.  E porque falamos de três reis magos. É que, como foram três os tesouros presenteados (ouro, incenso e mirra), a imaginação conclui logo que sejam três os magos, um para cada presente.

A festa que celebramos hoje é a da manifestação de Jesus como salvador de toda a humanidade, luz que brilha dissipando a escuridão do mundo e atraindo a si todos os povos. Jesus realiza plenamente a profecia do tempo do exílio: a libertação dos exilados e a conversão dos pagãos, o povo cativo voltando pra casa e as nações estrangeiras peregrinando para adorar o Senhor. Toda a vida de Jesus, não só seu nascimento, mas especialmente sua morte e ressurreição, toda a sua vida foi um resplandecer da glória de Deus, atraindo todos a si. “Quando eu for elevado, atrairei todos a mim”, disse Jesus referindo-se à sua morte e à sua ressurreição. Ele é o salvador da humanidade.

Com o evangelho de hoje, contemplemos com amor esse Jesus, luz dos povos, salvador da humanidade.  Cultivemos, igualmente, em nosso coração um grande amor pela Igreja, que é, em primeiro lugar, essa comunidade de pessoas de todas as línguas e nações, congregadas pelo clarão da face de Cristo. Renovemos também nosso  compromisso missionário, participando da grande missão da Igreja, qual seja fazer de todos os povos discípulos do Senhor.  

Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo (Mt 2,2)