16 julho 2016

Marta e Maria

“Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária" (Lc 10, 41-42)

Na vida, estamos sempre diante de uma encruzilhada, precisando escolher qual caminho seguir. O Salmo número 1, na abertura dos saltério, nos apresenta dois caminhos: o caminho dos justos e o caminho dos ímpios. No evangelho, Jesus contou a história de dois homens: o publicano humilde e o fariseu soberbo. Deu também o exemplo de dois irmãos a quem o Pai pediu para irem trabalhar em sua vinha: um disse que ia e não foi; o outro disse que não ia, e foi. Outros dois irmãos estão na parábola do filho pródigo: um reingressou, arrependido, na casa do seu pai e outro, longe de ser misericordioso como o Pai, ficou fora de casa. Afinal, na estrada da vida, temos que escolher entre dois caminhos.


Em Betânia, as duas irmãs – Marta e Maria - representam dois caminhos. E Jesus está nos indicando qual o melhor caminho devemos seguir.

Marta mostrou-se muito trabalhadora, muito preocupada com os afazeres da casa, super-atarefada, tudo para receber bem o Senhor. Ela mostrou-se uma excelente anfitriã.

Maria sentou-se aos pés do Senhor, como faziam os discípulos nas escolas dos rabinos. Estava escutando a sua palavra. Como discípula, está aprendendo, atenta, interessada nos ensinamentos do Mestre. Ouvir a palavra do Senhor é fundamental para encontrar o sentido e a direção do que precisamos fazer. Na palavra do Senhor, o discípulo encontra a orientação de sua ação. Maria é modelo de discípula.

Jesus corrigiu Marta. “Uma coisa só é necessária, não muitas coisas pelas quais você anda agitada”. E por quê? Porque o importante é realizar a vontade do Pai. E a vontade de Deus precisa ser conhecida (pela audição da Palavra) e acolhida, para ser praticada. Importante é que o que fazemos seja realização da vontade de Deus.

Marta foi uma boa anfitriã, fazendo coisas pra Jesus. Maria foi uma discípula exemplar, escutando a palavra de Jesus. Estava atenta à Palavra do Senhor, para o que fosse fazer, fizesse para realizar a vontade do Senhor. Marta se ocupa com muito trabalho. Maria procura o sentido do trabalho a ser feito.

Qual é o seu caso? Você é Marta ou é Maria? Você faz muita coisa, que eu sei. Então, pode ser Marta. Mas, se a sua primeira preocupação for fazer o que Deus quer, então você é Maria.

Marta, um bom modelo de anfitriã. Maria, um modelo de discípula. Não se trata de fazer muitas coisas. Trata-se de fazer em adesão à vontade de Deus.

“Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária". (Lc 10, 41-42)

Pe. João Carlos Ribeiro - 17.07.2016