25 maio 2016

Comece cedo

Os primeiros catequistas dos filhos são os pais. É com eles que os filhos aprendem a rezar e a participar da Igreja.
Comece cedo

Como educador, tenho falado muito da iniciação cristã. E falar em iniciação cristã, é falar em cada um assumir a sua condição de batizado, de nova criatura, inserido em Cristo, membro da Igreja. Chamar a atenção para o batismo é lembrar que é a hora de cada um renovar sua opção por Cristo, sua adesão pessoal ao filho de Deus, como seguidor(a) e discípulo(a). Conversamos anteriormente sobre padrinhos, afilhados, batismo de criança e de adulto... lembramos que o batismo é como o enxerto. Fomos enxertados em Cristo, como um ramo na videira. Caminhamos para nos identificar plenamente com ele, até poder dizer como São Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”.


Hoje, queria chamar a atenção para o empenho da família cristã na educação religiosa dos seus filhos, particularmente em iniciá-los na vida de oração. As primeiras orações, aprendemos em casa, nos primeiros passos de nossa vida. É bom começar ensinando pequenas orações dirigidas a Jesus e ao Pai, por exemplo: Ó Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso.  Aprender a fazer o sinal da cruz é uma coisa importante. A cruz é o sinal do cristão. Lembra-nos Jesus que nos salvou na cruz, pelo sacrifício de sua vida. Quando a criança cresce um pouco mais, vem o “Pai Nosso”, sempre alertando que “estamos conversando com Deus”. A “Ave Maria” também é uma bela oração para a criança, como também a oração do anjo da guarda (“Santo anjo do Senhor).

Um bom momento para ensinar as orações é antes de dormir. Assim, pode-se estimular o hábito de rezar diariamente antes do descanso. É importante sempre explicar à criança o sentido do que se está fazendo, tipo “vamos agradecer a papai do céu o que aconteceu de bonito hoje” ou “vamos pedir a papai do céu para abençoar o vovô que está doente”.... Além das orações clássicas de nossa Igreja, é importante estimular que a criança sempre acrescente alguma coisa espontânea em sua oração, para agradecer, para pedir perdão ou interceder por alguém.

Este ensino diário da oração à criança, em um ambiente tranquilo como pode ser o próprio quarto, poderá ter uma grande incidência nas próximas etapas da vida, se ela perceber que aquilo tem a ver com a prática religiosa de sua família. Isto quer dizer que ela precisa ver seus pais rezando em outros momentos, em casa e fora de casa, particularmente na Igreja.

Toda nossa vida religiosa tem sua culminância na missa dominical. Durante a semana, procuramos nos manter unidos a Deus pela oração pessoal, pela leitura da Bíblia, pela audição de programas religiosos... E no domingo, levamos toda essa caminhada para a celebração da Eucaristia. A criança precisa sentir que a missa dominical é um compromisso de família. E isso precisa ser aprendido logo, desde pequeno.

Quanto mais cedo, melhor.

Postar um comentário