16 abril 2016

As minhas ovelhas

“As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem”. (Jo 10, 27)

Esse pequeno texto do evangelho do Domingo do Bom Pastor deste ano bem que poderia levar esse título: As minhas ovelhas, eu e meu pai. Sobre as ovelhas, são ditas sete coisas: elas escutam a minha voz, elas me seguem, elas jamais se perderão, elas não serão arrancadas de minha mão, elas são conhecidas por mim, elas têm a vida eterna que eu lhes dou, elas me foram entregues por meu pai. Quem está dizendo isso: o pastor das ovelhas, Jesus.

Para uma sociedade rural, como a de Jesus, em que muita gente vivia da pecuária, a imagem do rebanho e o seu relacionamento com o pastor era uma coisa muito conhecida. Essa imagem, na Bíblia Sagrada, está aplicada ao relacionamento entre Deus e seu povo. Deus é o pastor do seu povo. O salmo 99 nos faz rezar:  “Nós somos seu povo e seu rebanho”.  “O Senhor é o meu pastor”, rezavam com o salmo 23. Há um relacionamento de proximidade entre as ovelhas e o seu pastor. O pastor as conhece uma a uma e as chama pelo nome, ao reuni-las para saírem para as pastagens. Ele vai à frente e elas o seguem, com confiança. A presença do pastor impede que elas se dispersem e se percam. Com ele, estão a salvo das feras e dos ladrões. E o pastor às leva às melhores pastagens e às fontes de água limpa.  

Essa imagem do pastor foi usada pelo próprio Jesus para falar de sua proximidade com o seu grupo, com os seus discípulos, conosco. Ele nos conhece, nos chama pelo nome. Nós o conhecemos, reconhecemos seu comando e o seguimos. Ele cuidando de nós, nos garante que vivamos em unidade e nos defende das insídias do mal e nos perigos. Ele enfrentou o mal, arriscando a sua própria vida. E o venceu, para nossa libertação, a custo da própria vida na cruz. E assim, ele nos comunica a vida de Deus, a vida eterna. E somos do seu rebanho, por vontade do próprio Deus. E como Jesus e o Pai estão em unidade, assim também somos chamados a viver em unidade entre nós e com Deus. Eu e o Pai somos um” (Jo 10, 30).
Olha que experiência maravilhosa: você tem um pastor que o (a) conhece e conduz sua vida. Jesus é o pastor que conhece, ama e conduz você. Ele dá a sua vida em seu favor, comunicando-lhe a vida eterna, a vida de Deus. E você o ama, o escuta, o segue. E não se afasta do rebanho, para não se perder e se tornar alvo fácil nas mãos de assaltantes e malfeitores.

E essa função de pastor do rebanho, na ausência física de Jesus, é realizada, desde seu retorno ao Pai, pelos ministros leigos da Igreja, pelos diáconos, padres e bispos. Nas familias, é pai e mãe que pastoreiam, em nome de Cristo, o seu pequeno rebanho. Na paróquia, é o pároco que pastoreia suas comunidades. Na diocese, é o bispo o pastor do grande rebanho. Todos esses são bons pastores, na medida em que realizam sua tarefa em união com o Senhor e o fazem em seu nome e à sua imitação.

O que Jesus está lhe dizendo hoje, com esse evangelho do bom pastor? Que o(a) ama, que cuida de você, que conta com sua docilidade no seguimento do seu evangelho. Que você no rebanho, seja um elo de união ajudando a construir a comunhão do rebanho com o seu pastor. Que nunca aceite o jogo do inimigo que semeia suspeitas, divisão e inimizade. O que ele está lhe dizendo hoje? Que você  o ajude a pastorear o rebanho: fazendo sua parte de pastor, na sua casa e na comunidade; fortalecendo o serviço pastoral do seu padre e das lideranças de sua comunidade; rezando ao Pai que sustente seus enviados na fidelidade e na perseverança; e pedindo ao Pai que nos mande muitos e bons pastores para o rebanho.

“As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem”. (Jo 10, 27)