26 setembro 2013

Iluminar

Vocês são a luz do mundo, Jesus falou. Vocês são a luz do mundo! É claro que luz, luz mesmo, é o próprio Jesus.  Ele reconheceu: Eu sou a luz do mundo, quem me segue não anda nas trevas. E quando disse pra gente ser luz para os outros, falou sério. Não é certo acender uma luz e colocá-lo debaixo da mesa. Tem que acender e colocar num lugar alto para iluminar a casa. Luz não pode negar-se a iluminar.
Mas, como é que nós podemos ser luz? A verdade é que não temos luz própria, somos como a lua. Nós só podemos refletir a luz do sol, pensando em Jesus como um sol. Ele é que é a luz verdadeira que veio a esse mundo para iluminar todo homem e mulher, como disse o evangelista João. Se a gente não for iluminado por Cristo, a gente não tem luz para iluminar ninguém. Para iluminar, você tem que ser iluminado por ele. E o que brilha nele? Nele brilham a compaixão, a confiança, a humildade, a mansidão, o perdão. Em Jesus brilham a fidelidade e o amor do Pai. Na pessoa humana de Jesus resplende a luz de Deus, que é amor. Só tem um jeito de sermos luz: deixar-nos iluminar por Jesus de Nazaré.

Moisés, depois do encontro com Deus na Montanha do Sinai, desceu com o rosto resplandecente. E a luminosidade chegou a incomodar o povo que o aguardava. Ele até teve que usar um véu no rosto, quando ia falar à sua gente. Quem se encontra com Deus fica assim: iluminado.  Jesus, no Monte Tabor, foi visto pelos três discípulos com o rosto brilhante como o sol e suas roupas fulguravam como a luz. No encontro com o Pai, ele se transfigurava. Há pessoas que você, ao encontrá-las, fica tocado por sua alegria, pela serenidade  de seu semblante, pela bondade, pelo seu sorriso franco. Vai ver, são pessoas  cheias de Deus, cheias de sua luz. Eu mesmo já vi gente prostrada num leito há anos, esbanjando contentamento e paz. Gente de Deus, gente iluminada por Deus, iluminando a gente.
E como podemos ser luz para os outros?  Bom, em primeiro lugar, sendo um exemplo, um espelho para os outros. Minhas atitudes, meus gestos, meus compromissos, minha vida, tudo fala, de um certo modo, tudo brilha, podendo indicar um bom caminho para os outros. O contrário é também verdadeiro: com meu comportamento, minhas atitudes, minhas escolhas eu confundir os outros ou, pior ainda, incitá-los a caminhos errados. Aí, claro, é a escuridão que reina, não a luz que brilha.
Mas não é só com o bom exemplo que eu sou luz para os outros. Também minhas palavras podem ser uma luz a iluminar a vida de alguém, ajudando a compreender a vida com a luz de Deus ou orientando para escolhas acertadas. Mesmo que os exemplos arrastem, as palavras também têm o seu valor. Elas dão o sentido, esclarecem as razões, revelam intenções. Sua palavra e até mesmo o seu silêncio respeitoso são oportunidades que a Providência lhe dá para você iluminar a vida de alguém.
Vocês são a luz do mundo, nos disse Jesus. Eu preciso ter a luz de Cristo em mim, deixar-me iluminar por ele, para poder refletir a sua luz na vida dos outros. Com seu exemplo e com suas palavras, você é uma luz para a vida de muita gente.
Pe. João Carlos Ribeiro – 24.09.2013 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E você, o que pensa sobre isso?