Meditação da Palavra

13 junho 2012

O discípulo em missão

Na grande Conferência do Episcopado em Aparecida, o grande desafio foi lançado: cada cristão seja um discípulo fiel do Mestre e, ao mesmo tempo, torne-se um ardoroso missionário do seu Evangelho! Discípulo missionário: é disso que se trata.  Jesus, ao enviar os seus discípulos em missão, deu-lhes algumas orientações. As suas orientações em Mateus 10, 7-13 continuam valendo.

O discípulo missionário é portador de uma boa notícia. É a primeira orientação. E a boa nova que o missionário tem a comunicar é que o Reino de Deus está próximo, isto é, está ao alcance das pessoas. O Reino se aproximou da gente. Jesus desceu do céu e colocou-se no nosso meio. Em Jesus, Deus veio nos abraçar (como na história do filho pródigo), nos resgatar (como na história da ovelha perdida), nos comunicar a vida plena (como na história do cego).

O discípulo missionário concretiza a boa notícia do Reino com ações transformadoras. Aí ele falou dos doentes, dos mortos, dos leprosos. O compromisso com a vida e a dignidade das pessoas é uma concretização da boa notícia da qual somos portadores. Falou até da expulsão dos demônios. É que a libertação das pessoas é uma luta contra as forças do mal presentes nas estruturas injustas, na ambição, no egoísmo, na discriminação das pessoas.

O discípulo missionário procura o bem do outro, não está buscando lucro ou benefícios pessoais. Ele disse assim: De graça vocês receberam, de graça vocês devem dar. O enriquecimento de um missionário não é um bom sinal. Pode estar indicando um desvio na verdadeira missão.

O discípulo missionário põe sua segurança em Deus, não nos bens deste mundo. Ele disse isso de outra forma: Não levem ouro, nem prata, nem dinheiro na cintura. O que vai assegurar o sucesso de sua missão não são os recursos de que poderá dispor. A conversão e a vida nova são dons de Deus, iniciativa de Deus.

O discípulo missionário confia na Providência Divina, sabe que não será desamparado. Jesus falou isso de outra forma: Não levem sacola pelo caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem bastão. O operário é digno do seu sustento.

O discípulo missionário procura o apoio de pessoas dignas. Jesus falou que deviam se hospedar na casa de gente séria. Não é qualquer aliança que serve no trabalho missionário. Não é qualquer apoio que serve. Há muito apoio mal intencionado, visando instrumentalizar o evangelho para outros interesses.
O discípulo missionário é portador da paz de Deus para as pessoas, as casas, as famílias. Se a casa for digna, disse Jesus, desça sobre ela a Paz. A boa notícia é o perdão, a vida nova em Cristo, a comunhão com Deus. A boa nova é a paz.

Sete recomendações aos missionários de ontem e de hoje. Sete, porque sete é o número da obra perfeita, como foi nos dias da criação. Façam as contas: O discípulo missionário é portador de uma boa notícia; concretiza essa boa notícia com ações transformadoras; procura o bem do outro; põe sua segurança em Deus; confia na providência divina; procura o apoio de pessoas dignas; e é portador da Paz de Deus. Sete recomendações que continuam valendo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.06.2012