Meditação da Palavra

08 janeiro 2016

João e o Batismo

O profeta, no deserto, prepara a vinda do Messias convocando o povo à conversão. No batismo, no rio Jordão, Jesus é apresentado pelo Pai como seu filho amado. O batismo revela a nossa dignidade de filhos. 

No tempo de Jesus e de João Batista, o povo, na Palestina, andava meio esquentado. Os romanos dominavam o país. O povo vivia massacrado pelos de fora e também pelos de dentro. Os grupos religiosos que controlavam o templo procuravam na verdade os seus próprios interesses. Mesmo os fariseus, o grupo religioso mais popular, marginaliza o povo. Um tempo de marginalização e humilhação do povo pobre. E também de revoltas, rebeliões, estremecimento social. Nesse clima, o povo aguardava ansiosamente o Messias: só ele poderia tirá-lo daquela situação-limite, só ele poderia restaurar a aliança com Deus.

Foi nesse ambiente, bastante efervescente, que João Batista começou a pregar no deserto. Ele falava de mudança, de conversão, do Messias que estava para chegar. Muita gente sensibilizou-se pela mensagem de João e quis entrar num outro estilo de vida, mais de acordo com a aliança. Por isso se batizava. O batismo era como que um banho purificador, um sinal de adesão ao novo tempo que estava sendo anunciado.

Nesse meio tempo, Jesus é apresentado por João ao povo. O novo que ele anuncia começa com Jesus. É ele o escolhido por Deus para a obra da restauração do povo. É assim que os evangelhos contam que Jesus foi batizado por João. Ele participou também daquele movimento de renovação às margens do rio Jordão.

O quarto Evangelho narra o testemunho de João sobre Jesus,: "eu vi o Espírito descer do céu, como uma pomba, e pousar sobre ele" (João 1, 32). O Espírito descido do céu, repousando sobre Jesus, lembra o texto do profeta Isaías: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu. Ele me enviou para dar a boa notícia aos pobres, para curar os corações feridos, para proclamar a libertação dos escravos e por em liberdade os prisioneiros..." (Isaías 61,1). Deus estava derramando seu Espírito sobre Jesus, ungindo-o em sua missão de messias-salvador do povo.

E o Espírito veio sobre ele, como uma pomba, disse João Batista. É só reler o início da Bíblia pra gente recordar que na criação do mundo, o Espírito de Deus pairava sobre as águas. É a imagem de uma ave que sobrevoa a superfície das águas. O que está acontecendo é a nova criação. Em Jesus, Deus está completando sua obra criadora. Deus comunicou o seu sopro de vida ao primeiro homem, conta o livro do Gênesis. Agora, no novo Adão está completando sua obra, soprando o seu próprio Espírito. Comunicando-lhe a sua vida divina.

O batismo de Jesus revela a sua identidade de filho de Deus. Ele é o novo homem, em quem Deus pôs o seu Espírito. É o filho de Deus que vai comunicar a vida de Deus ao povo. É o ungido: é o que quer dizer a palavra Messias ou Cristo. Ele vai restaurar a liberdade e a dignidade de um povo abatido e humilhado. O batismo é assim a apresentação da missão de Jesus, de sua missão libertadora.

O nosso batismo, como o de Jesus, nos revela isto também: nossa dignidade de filhos e nossa missão transformadora no mundo.