Meditação da Palavra

15 fevereiro 2014

Juventude contra drogas

O Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, não conteve as lágrimas e a emoção. No Acampanhamento PHN da Canção Nova*, Dunga tinha feito uma proposta aos mais de 100 mil jovens presentes no
enorme centro de evangelização, em Cachoeira Paulista, São Paulo. Dunga, que estava dirigindo a palestra, tinha lido 1ª Coríntios 13: "o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará" (1Cor 13, 7-8).  Tinha dito que não estava de acordo com a famosa frase
 "quem não vem por amor, vem pela dor". E tinha se explicado: na hora da dor, da grande dor, essa é a hora em que Deus abre bem os braços pra abraçar a gente. A hora da dor é a hora do amor maior. Foi quando veio a proposta: "Você que acredita nesse amor e quer começar uma vida nova, chegou a sua vez!"  Quem quer ter uma atitude - e precisamos de jovens de atitude -  quem quer tomar uma decisão, quer cortar, fazer uma cisão em sua vida agora (de-cisão)?, perguntou. E emendou: "Traga pra cá, me entregue agora, o papelote de cocaína que está no seu bolso, a trouxinha de maconha que está na sua bolsa, a camisinha que está em sua carteira".

O desafio estava lançado. Tantas palavras de renovação já tinham sido ditas. Tantos aplausos e ovações daquela juventude barulhenta durante quase uma hora de pregação. Chegara a hora de um gesto concreto, de uma atitude corajosa. Mais uma injeção de coragem: "Vir aqui não é a sua maior vergonha. É a hora do seu maior amor. A hora que o filho pródigo voltou pra casa não foi a hora de sua humilhação. Foi a hora em que mostrou mais amor. E a hora em que foi mais amado, em o Pai mostrou todo o seu amor por ele. Coragem!". E começou a chegar o pessoal, meio envergonhado, mas encorajado por muitas palmas e ovações. Vários começaram a se aproximar do palco e entregar ao pregador maconha, crack, cocaína, camisinhas.... Foi quando Dunga chamou o Ministro da Saúde, o médico infectologista Alexandre Padilha, e colocou em suas mãos pedras de  crack e papelotes de cocaína ali recolhidos. E disse ao Ministro, mais ou menos assim: "Sr. Ministro, aqui está uma representação da juventude do nosso país. Veja o que a fé pode fazer pelos jovens do Brasil. Nós acreditamos nos jovens. Nós cremos em Cristo. E ensinamos aos jovens que a verdadeira prevenção da AIDS é a castidade. E que os jovens podem viver com saúde e em santidade, longe das drogas". Longa ovação. O Ministro enxugou as lágrimas e falou de coração aberto. Valorizou a juventude, valorizou o trabalho da Igreja.

É claro que todo mundo não sai convertido de uma movimentação de massa como essa, um acampamento com uma circulação de mais de 150 mil jovens. Mas ali se vive, por três ou quatro dias, um ambiente de forte espiritualidade, com muitas oportunidades para se aproximar de Deus: as pregações, missas, adoração, confissões, aconselhamento, shows de música religiosa. E tudo em clima de afetuosa acolhida e de muita liberdade, com oferta de muitas outras atividades: circo, shows em palco alternativo, festival de hip-hop, palestras e até luau. E tudo isso em transmissão direta pela TV, alcançando milhões de pessoas e contagiando o Brasil com a esperança e a alegria de uma juventude animada pela fé.

*13 a 17 de julho de 2011

Pe. João Carlos Ribeiro