Meditação da Palavra

03 agosto 2011

Deus os abençoe

Agosto, no Brasil católico, é o mês das vocações. As comunidades, com reconhecimento e gratidão, celebram a vocação do padre, dos pais, dos religiosos e religiosas, dos catequistas. A Igreja é servidora do mundo, servidora da vida, portadora Palavra que revela o amor de Deus e o seu plano de salvação. A cada seguidor de Jesus, o Pai chama para uma tarefa e o capacita para o serviço com um carisma, uma competência particular na comunidade, a serviço da vida do mundo.

Jesus é o único e eterno sacerdote, o que faz a mediação entre o céu e a terra.  E nós batizados temos parte com ele, em sua morte e sua ressurreição. Participamos, portanto, com ele também de sua missão. É assim que todos os batizados participam do seu sacerdócio.  Pela inserção no seu corpo místico, a sua Igreja, cada irmão ou irmã está unido a Cristo sacerdote, profeta e pastor. E realiza o sacerdócio comum dos fiéis, na oração, na consagração do mundo pelo trabalho, no oferecimento de preces e súplicas em favor uns dos outros. E, sobretudo, se une a Cristo sacerdote nesse seu ministério de santificação através de sua participação na sagrada Eucaristia. Você cristão, você cristã é um sacerdote, uma sacerdotisa. Participa do sacerdócio de Jesus a serviço da vida, do bem, da verdade, da paz.

Os ministros ordenados participam de maneira particular e próxima do sacerdócio ministerial do Senhor. Os diáconos, os presbíteros e os bispos participam do sacerdócio ministerial de Cristo Jesus, isto é, exercem esse seu sacerdócio junto ao povo de Deus. Pastoreiam o rebanho em nome do Bom Pastor. Ensinam a Palavra de Deus em nome do Verbo encarnado. Comunicam ao povo de Deus a graça de Cristo por meio dos sacramentos da Igreja, em nome do Cristo único e eterno sacerdote. Realizam isso tudo em seu nome, fazendo as vezes dele.

Dom Hélder, a quem recordamos particularmente neste mês pelo aniversário do seu falecimento, dizia repetidamente: "Na Missa, o verdadeiro celebrante é nosso Senhor Jesus Cristo". Dizia isso, com tanta convicção e com gestos tão eloquentes, que parecia se transfigurar.  E é assim mesmo: nós padres, e os bispos também, de uma maneira particular, participamos de seu sacerdócio ministerial, o representamos, fazemos as vezes dele, agimos como seus representantes. Mas é ele, quem ensina, governa, santifica. É ele quem se oferece por todos. É ele o intercessor, único e eterno sacerdote.

Temos visto, com alegria, que depois de um período de diminuição de atenção à figura do sacerdote, o povo de Deus tem redobrado suas expressões de carinho para com os seus ministros. E isso é um bom sinal, uma demonstração de fé e de adesão ao Bom Pastor de nossas vidas. Mesmo que nós padres tenhamos nossas falhas e nossos pecados, agimos em nome do Senhor, que continua por nosso ministério a oferecer à humanidade o dom da salvação, a graça do perdão, as bênçãos do seu coração misericordioso.

Eu bendigo o Senhor pelo sacerdócio ministerial a que me chamou. E a vocês, é meu sagrado dever e minha alegria comunicar o amor desse Deus bendito que os fez participantes do sacerdócio universal de Cristo. Deus os abençoe!

Pe. João Carlos – 04.08.2011