31 julho 2011

Estão aparecendo vocações?

E como agosto é o mês das vocações, vamos a uma pergunta: nesse nosso mundo, por que alguém iria renunciar tudo e trancar-se num convento ou num seminário?

 

Num mundo como o nosso, marcado pelo individualismo, por um consumismo desenfreado e povoado por tantos apelos eróticos, ainda aparecem jovens querendo consagrar-se inteiramente ao serviço religioso?  E eles estão mesmo dispostos a largar tudo? A fazer um caminho de despojamento, de humildade e de caridade? E mesmo que estejam dispostos, é possível hoje em dia perseverarem na vocação?

 

Não só continuam a aparecer candidatos ao sacerdócio e à vida consagrada, mas está havendo um aumento considerável de vocações, de ordenações e de consagrações religiosas. E isso num mundo que abre todas as portas à sexualidade desregrada, à corrida para o sucesso pessoal e à independência de qualquer laço familiar ou religioso.

 

As vocações continuam a aparecer. E mais: é cada dia mais numeroso o número de pessoas que compreendem sua vida cristã como um apelo à santidade de vida. E aqui há uma novidade que escapa aos olhos da maioria. Há um crescente número de cristãos que não se contenta em apenas cumprir ritos religiosos ou ser assíduo à missa dominical. Essas pessoas sentem, no seu coração, o desejo de serem integralmente de Deus, de viverem unidos a ele, de viverem em santidade de vida. A vocação à santidade, na verdade, não é só para alguns. É para todos os cristãos. Mas, há muita gente que está formulando isso claramente e contagiando outros com o seu testemunho.

 

O batismo, na verdade, é o começo do caminho de santidade. O caminho do batizado, mergulhado na morte e ressurreição de Cristo, é o da comunhão com Deus. Viver com Cristo: esta é a vocação do cristão. E quem está com Deus, tem o seu coração aberto para os outros, seus irmãos, para compreendê-los, servi-los, para fazer comunhão com eles. Este é o ambiente de santidade, onde nascem famílias alicerçadas no amor a Deus, onde crescem filhos sadios no corpo e na alma e onde se envelhece na certeza que a vida é ensaio para o grande encontro.

 

Está havendo mais vocações para o ministério ordenado e para a vida consagrada porque está havendo mais santidade no meio do povo de Deus. Porque a primeira vocação, a de todos, a vocação à santidade, está sendo vivida. E essas vocações especiais de consagração que Deus levanta no meio do seu povo, por seu turno, estão destinadas a sustentar a vocação de todos à santidade. Não é todo mundo que entende isso. São mistérios do Reino de Deus. E há muita gente na Igreja funcionando com a cabeça do mundo, assim não pode entender.

                                                                       

Na vocação à santidade, vivida pelo povo de Deus, suas famílias, seus padres, religiosos e religiosas, triunfa o amor de Deus, num mundo dominado pelo dinheiro. Brilha a castidade, num mundo erotizado e malicioso. Vence a comunhão, para espanto de quem imaginou o individualismo como lei universal. É verdade. As vocações para o ministério ordenado e a vida consagrada estão aumentando. Em número e em qualidade. Em santidade. Graças a Deus.

 

Padre João Carlos 

Postar um comentário